Recitando Hilda Hilst.

Minha medida?
O amor
E tua boca na minha
Imerecida.
Minha vergonha?
O verso
Ardente.
E o meu rosto
Reverso de quem sonha.
Meu chamamento? Sagitário
Ao meu lado
Enlaçado ao Touro.


Minha riqueza?
Procura
Obstinada, tua presença
Em tudo: julho, agosto
Zodíaco antevisto, página
Ilustrada de revista
Editorial, jornal
Teia cindida.
Em cada canto da casa
Evidência veemente
Do teu rosto.




Ama-me.
É tempo ainda.
Interroga-me.
E eu te direi que o nosso tempo é agora. Esplêndida altivez, vasta ventura
Porque é mais vasto o sonho que elabora
Há tanto tempo sua própria tessitura.
Ama-me.
Embora eu te pareça
Demasiado intensa.
E de aspereza.
E transitória se tu me repensas.













Poesia de Hilda Hilst recitado no Sarau da Academia Onírica (poesia tarja preta).

1 comentários:

Denis Jiu jiteiro disse...

Habla poesia "titia jones" ! ;*

Postar um comentário

Habla!